Eu ia com a noite pelas ruas
descuidadas que levam ao teu corpo.
Não sei que vozes se cruzaram
com a manhã de Junho dos meus olhos,
mas sempre vozes ou a sombra delas
cortaram os passos ao desejo.
Perdi-me em nevoeiros que de súbito
sobre a cidade caíram, ou em mim.

In O peso da Sombra
Eugénio de Andrade
[EU IA COM A NOITE PELAS RUAS]
« Voltar