Ferido sem ter cura perecia
o forte e duro Tlefo temido,
por aquele que n' gua foi metido,
a quem ferro nenhum cortar podia.

Ao Apolneo Orculo pedia
conselho para ser restitudo;
respondeu que tornasse a ser ferido
por quem o j ferira, e sararia.

Assi, Senhora, quer minha ventura
que, ferido de ver-vos, claramente
com vos tornar a ver Amor me cura.

Mas to doce vossa fermosura,
que fico como hidrpico doente,
que co beber lhe crece mor secura.

Luís Vaz de Camões
[FERIDO SEM TER CURA PERECIA]
Voltar