Foi ontem ou foi nunca ou foi ninguém
O que me aconteceu
Quando esperava a ilusão ou o bem,
O mistério ou o céu…

Foi qualquer coisa que me esqueceu já
Porque entre as nuvens do mistério dado
Alguns laços do não-dado há
Que são cheios do Fado —

Do Fado, do Destino, do que é Tudo,
E, entre o menor mistério de viver,
Opera, entre quem fala, o rito mudo
De nada se saber.

 

7 - 9 - 1934

In Poesia 1931-1935 e não datada , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2006
Fernando Pessoa
« Voltar