Onde porei meus olhos que no veja
a causa donde nace meu tormento?
Ou a que parte irei co pensamento
que, para descansar, parte me seja?

Engana-se quem busca ou quem deseja
em vo a mor firmeza no contento;
que todo seu prazer nvoa ao vento,
onde sempre o bem falta e o mal sobeja.

Anda minha alma cega, anda enganada.
A luz no busco; nem me desengano,
nem curo de razo. Busco o desejo.

Aps um no sei qu, aps um nada,
onde certo o perigo e certo o dano;
que quanto mais me chego, menos vejo.

 

Luís Vaz de Camões
[ONDE POREI MEUS OLHOS QUE NÃO VEJA]
Voltar