to suave a fuga deste dia,
Ldia, que no parece que vivemos.
        Sem dvida que os deuses
        Nos so gratos esta hora,

Em paga nobre desta f que temos
Na exilada verdade dos seus corpos
        Nos do o alto prmio
        De nos deixarem ser

Convivas lcidos da sua calma,
Herdeiros um momento do seu jeito
        De viver toda a vida
        Dentro dum s momento,

Dum s momento, Ldia, em que afastados
Das terrenas angstias recebemos
        Olmpicas delcias
        Dentro das nossas almas.

E um s momento nos sentimos deuses
Imortais pela calma que vestimos
        E a altiva indiferena
        s coisas passageiras

Como quem guarda a coroa da vitria
Estes fanados louros de um s dia
        Guardemos para termos,
        No futuro enrugado,

Perene nossa vista a certa prova
De que um momento os deuses nos amaram
        E nos deram uma hora
        No nossa, mas do Olimpo.


In Poesia , Assrio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, 2000
Ricardo Reis
[[É TÃO SUAVE A FUGA DESTE DIA]]
Voltar