É um rio sob arvoredos
Só de o sonhar o sou.
Ali, com meus segredos,
Sob lugar de sombra vou
E fluo, sonhando só.

Cerca-me outro dormir...
Perco-me sem razão...
Durmo. Dormindo a sorrir
Flui o coração.

 


[19-10-1927]

In Poesia 1918-1930 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar