Quantas penas, Amor, quantos cuidados,
quantas lgrimas tristes sem proveito,
de que mil vezes olhos, rosto e peito
por ti cego, me viste j banhados!

Quantos mortais suspiros derramados
do corao, por tanto a ti sujeito!
Quantos males, enfim, tu me tens feito,
todos foram em mim bem empregados.

A tudo satisfaz (confesso-te isto)
ũa s vista branda e amorosa,
de quem me cativou minha ventura.

sempre para mim hora ditosa!
Que posso temer j, pois tenho visto
com tanto gosto meu tanta brandura?

 

Luís Vaz de Camões
[QUANTAS PENAS AMOR QUANTOS CUIDADOS]
Voltar