Pode um desejo imenso
arder no peito tanto
que branda e a viva alma o fogo intenso
lhe gaste as ndoas do terreno manto,
e purifique em tanta alteza o esprito
com olhos imortais
que faz que leia mais do que v escrito.

Que a flama que se acende
alto tanto alumia
que, se o nobre desejo ao bem se estende
que nunca viu, a sente claro dia;
e l v do que busca o natural,
a graa, a viva cor,
noutra espcie milhor que a corporal.

Pois vs, claro exemplo
de viva fermosura,
que de to longe c noto e contemplo
n'alma, que este desejo sobe e apura:
no creais que no vejo aquela imagem
que as gentes nunca vem,
se de humanos no tm muita ventagem.

Que, se os olhos ausentes
no vem a compassada
proporo, que das cores excelentes
de pureza e vergonha variada;
da qual a Poesia, que cantou
at aqui s pinturas,
com mortais fermosuras igualou;

se no vem os cabelos
que o vulgo chama de ouro,
e se no vem os claros olhos belos,
de quem cantam que so do Sol tesouro,
e se no vem do rosto as excelncias,
a quem diro que deve
rosa, cristal e neve as aparncias;

vem logo a graa pura,
a luz alta e severa,
que raio da divina fermosura
que n'alma imprime e fora reverbera,
assi como cristal do Sol ferido,
que por fora derrama
a recebida flama, esclarecido.

E vem a gravidade
com a viva alegria,
que misturada tem, de qualidade
que ũa da outra nunca se desvia;
nem deixa ũa de ser arreceada
por leda e por suave,
nem outra, por ser grave, muito amada.

E vem do honesto siso
os altos resplandores,
temperados co doce e ledo riso,
a cujo abrir abrem no campo as flores;
as palavras discretas e suaves,
das quais o movimento
far deter o vento e as altas aves;

dos olhos o virar,
que torna tudo raso,
do qual no sabe o engenho divisar
se foi por artifcio, ou feito acaso;
da presena os meneios e a postura,
o andar e o mover-se,
donde pode aprender-se fermosura.

Aquele no sei que,
que aspira no sei como,
que, invisvel saindo, a vista o v,
mas para o compreender no acha tomo;
o qual toda a Toscana poesia,
que mais Febo restaura,
em Beatriz nem em Laura nunca via;

em vos a nossa idade,
Senhora, o pode ver,
se engenho e cincia e habilidade
igual a fermosura vossa der,
como eu vi no meu longo apartamento,
qual em ausncia a vejo.
Tais asas d o desejo ao pensamento!

Pois se o desejo afina
ũa alma acesa tanto
que por vs use as partes da divina,
por vs levantarei no visto canto
que o Btis me oua, e o Tibre me levante;
que o nosso claro Tejo
envolto um pouco vejo e dissonante.

O campo no o esmaltam
flores, mas s abrolhos
o fazem feio; e cuido que lhe faltam
ouvidos para mim, para vs olhos.
Mas faa o que quiser o vil costume;
que o sol, que em vs est,
na escurido dar mais claro lume.

Luís Vaz de Camões
[PODE UM DESEJO IMENSO]
Voltar