Que isto? Sonho ou vejo a Ninfa pura,
que sempre na alma vejo?
Ou me pinta o desejo
o bem que em vo cada hora me assegura?
Mal pode a noite escura,
amando a sombra fria,
mandar-me em sonho a luz fermosa e bela,
que se no torne em dia,
de seus luzentes raios inflamada.
Oh vista desejada
de graciosa Ninfa e viva estrela,
que h tanto que por este mar navego,
sem ver meu claro Plo, escuro e cego!

Nesses fermosos olhos, de enlevada,
minha alma se escondeu
quando ordenava o Cu
que vivesse comigo desterrada.
Vs, a mais certa estrada
de ver a suma alteza,
do efeito a causa abris a esta alma minha.
Assi mortal beleza
s dela nasce, e nela se resume;
assi celeste lume
l dos cus se deriva, e l caminha.
Pois, como a Deus unir-me a vista possa,
porque a negais, meu sol, a esta alma vossa?

Se me quereis prender a parte a parte,
cabelo ondado e louro,
tecei-me a rede de ouro
em que prendeu Vulcano a Cpria e Marte;
ds que com gentil arte
vestis de flores belas
a terra em que tocais coa bela planta.
quantas vezes com v-las
quis numa dessas flores transformar-me?
Porque, vendo pisar-me
desse cndido p, que a neve espanta,
pode ser que na flor mudado fera
que deu a Juno irada e linda Flora.

Mas onde te acolheste, doce vida,
mais leve e pressurosa
de que na selva umbrosa
cerva de aguda seta vai ferida?
Se para tal partida,
meus olhos, vs abristes,
cerrara-vos o sono eternamente,
antes que ver-vos tristes,
perdendo to suave e doce engano!
Agora, com meu dano,
vedes, para mor mgoa, claramente,
neste bem fugitivo e sono leve,
que mal no h mais longo que um bem breve.

Ditoso Endimio que a deusa clara,
que a noite vai guiando,
teve em braos sonhando!
Ah, quem de sonho tal nunca acordara!
Tu s, Aurora avara,
quando os olhos feriste,
me mataste, cruel, de inveja pura.
Mas se desta alma triste
a negra escurido vencer quiseste,
sabe que em vo nasceste;
que para desfazer-se a nvoa escura
de meus olhos, importa estar presente
outro Sol, outra Aurora, outro Oriente.

Se a luz de meu Planeta
no me aviva, Cano, branda e quieta,
qual flor de chuva, em breve consumida,
vers desfeita em lgrimas a vida.

Luís Vaz de Camões
[QUE É ISTO? SONHO OU VEJO A NINFA PURA]
Voltar