Quero a Noite completa, desumana. 
A Noite anterior. A Noite virgem 
de mim. A Noite pura. Quero a Noite, 
aonde é impossível encontrar-te. 

Que não há rio nem rua nem montanha 
nem floresta nem prado nem jardim 
nem pensamento algum nem livro algum 
em que não me apareças, sorridente. 



In PELO SONHO É QUE VAMOS , Ática, 1992
Sebastião da Gama
« Voltar