Adeus, adeus, a 'sperança sempre tarda
E às vezes quando vem, é já saudades.
27 - 5 - 1922

In Poesia 1918-1930 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar