Vê como o verão
subitamente
se faz água no teu peito,

e a noite se faz barco,

e minha mão marinheiro. 


In Obscuro Domínio
Eugénio de Andrade
CORPO HABITADO
« Voltar