Se tomar minha pena em penitncia
do erro em que caiu o pensamento,
no abranda, mas dobra meu tormento;
a isto e a mais obriga a pacincia.

E se ũa cor de morto na aparncia,
um espalhar suspiros vos ao vento,
em vs no faz, Senhora, movimento,
fique meu mal em vossa conscincia.

E se de qualquer spera mudana
toda a vontade isenta Amor castiga
- como eu vi bem no mal que me condena -,

e se em vs no se entende haver vingana,
ser forado – pois Amor me obriga -
que eu s de vossa culpa pague a pena.

Luís Vaz de Camões
[SE TOMAR MINHA PENA EM PENITÊNCIA]
Voltar