O Chiado sabe-me a açorda. 
Corro ao fluir do Tejo lá em baixo. 
Mas nem ali há universo. 
E o tédio persiste como uma mão regando no escuro. 

In Poesia , Assírio & Alvim, ed. Teresa Rita Lopes, 2002
Álvaro de Campos
« Voltar