Segredo visível, Rosa crucificada, Mistério e Nome do Mundo,
Olha-me para que te veja, crucifica-me para que eu te colha,
Torna-me mundo para que eu te oiça e desconheça!

Martírio da flor desabrochada, nasce pela morte em mim!
Silêncio da flor desencantada, cresce pela morte em mim!
Segredo da rosa crucificada, morre pela morte em mim!

Rosa, sê eu; Cruz sê minha; Rósea Cruz, sê!

 


In Poesia 1931-1935 e não datada , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2006
Fernando Pessoa
« Voltar