Aquele moo fero
na peletrnia cova doutrinado
do Centauro severo,
cujo peito esforado
com tutanos de tigres foi criado;

na gua fatal, minino,
o lava a me, pressaga do futuro,
para que ferro fino
no passe o peito duro
que de si mesmo a si se tem por muro.

A carne lhe endurece,
que ser no possa de armas ofendida.
Cega! que no conhece
que pode haver ferida
n'alma, que menos di perder a vida.

Que, aonde o brao irado
dos Troianos passava arns e escudo,
ali se viu passado
daquele ferro agudo
do Minino que em todos pode tudo.

Ali se viu cativo
da cativa gentil, que serve e adora;
ali se viu que, vivo,
em vivo fogo mora,
porque de seu senhor se v senhora.

J toma a branda lira
na mo que a dura Plias meneara;
ali canta e suspira,
no como lhe ensinara
o velho, mas o Moo que o cegara.

Pois, logo, quem culpado
ser se, de pequeno, oferecido
foi logo a seu cuidado,
no bero institudo
a no poder deixar de ser ferido?

Quem, logo, fraco infante,
doutro mais poderoso foi sujeito,
que para cego amante
foi de princpio feito,
com lgrimas banhando o brando peito?

Se agora foi ferido
da penetrante seta e fora de erva,
e se Amor servido
que sirva linda serva,
para que minha estrela me reserva?

O gesto bem-talhado,
o airoso meneio e a postura,
o rosto delicado,
que na vista afigura
que se ensina por arte a fermosura,

como pode deixar
de cativar quem tenha entendimento?
Que, quem no penetrar
um doce gesto, atento,
no lhe nenhum louvor viver isento.

Que aqueles cujos peitos
ornou de altas cincias o destino,
esses foram sujeitos
ao cego e vo Minino,
arrebatados do furor divino.

O Rei fermoso hebreio,
que mais que todos soube, mais amou;
tanto que a deus alheio
falso sacrificou.
Se muito soube e teve, muito errou.

E o gro Sbio que ensina,
passeando, os segredos da Sofia,
baixa concubina
do vil eunuco Hermia
aras ergueu, que aos deuses s devia.

Aras ergue a quem ama
o Filsofo insigne namorado.
Di-se a perptua Fama
e grita que, culpado,
da lesa-divindade e acusado.

J foge donde habita;
j paga a culpa enorme com desterro.
Mas, oh! grande desdita!
Bem mostra tamanho erro
que doutos coraes no so de ferro.

Antes na altiva mente,
no sutil sangue e engenho mais perfeito,
h mais conveniente
e conforme sujeito
onde se imprima o brando e doce afeito.

 

Luís Vaz de Camões
[AQUELE MOÇO FERO]
Voltar