abandonar a aldeia o lugar a casa o corpo
a escrita e todas as paisagens
viajar no comboio-correio da noite

repisar tua sombra oblíqua naqueles areais
cercado de água morder o coral do medo
onde tua ausência se quebra...migrar
com as marés da noite para regiões onde o sonho existe
fora de ti

uma cerveja outra e outra
para que um sorriso se revele na embriaguez da despedida
abro um livro:
       Uma só coisa é necessária: a solidão, a grande solidão interior. Caminhar
em si próprio e, durante horas, não encontrar ninguém - é a isto que é preciso chegar.
não consigo ler mais...fecho os olhos
a paisagem desaparece num rápido e desfocado adeus

penso voltar
e sei que mentira desperta já em mim
recosto-me profundamente no assento...desafio o sono
invade-me a ânsia do eterno viajante

comboios barcos que vão para onde?
esperem por mim
eu vou


In O Medo
Al Berto
« Voltar