O riso da tua boca
É uma fita desatada
Cuja ponta solta toca
Na cara de a quem agrada.

É como um tirar de xaile
Quando se tira num jeito
Em que uma alegria baile
Por o jeito se ter feito…

É um riso que faz cantar
A vontade de sorrir
Que teu riso sabe dar
A quem, sob o rir do olhar,
Vê a tua boca rir.

25 - 8 - 1934

In Poesia 1931-1935 e não datada , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2006
Fernando Pessoa
« Voltar