Vem dos lados da montanha Uma canção que me diz Que, por mais que a alma tenha, Sempre há-de ser infeliz. O mundo não é seu lar E tudo que ele lhe der São cousas que estão a dar A quem não quer receber. Diz isto? Não sei. Sem voz Chega, música à janela Onde me medito a sós, Como o luzir de uma estrela.
14 - 11 - 1931

In Poesia 1931-1935 e não datada , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2006
Fernando Pessoa
« Voltar