«Obra de Deus grande o seu poder!»
Disse ele contemplando o mar
Batendo a costa em tumulto,
      Mesmo em torno do pontão.

O barco embate com estrondo,
A água inunda o convés
Abrindo fendas medonhas. 
      «Obra de Deus», digo então.


1906

In Poesia , Assírio & Alvim , edição e tradução de Luisa Freire, 1999
Alexander Search
« Voltar