Pórtico 

 

Corpo, alma, razão já os cantei,
estreme  e  sem me isentar em pseudónimos.
Antífrases de mim as assinei.
Contrários indaguei: eram sinónimos,


O Espírito agora cantarei.
Corpo, alma. razão lhe são compósitos.
Mas, ó visão! até chegar ao Rei
de todo, pus e sal quantos depósitos.


Por fim, por fim, na mansidão achada,
matando a morte em vida, já pesada
não me é terra nem feras nem fronteiras
Fechada? Mas em muros transparentes.
Ferida? Mas os danos são sementes
do Espírito em odor de amendoeiras.


In Inéditos, 1976-1979
Natália Correia
« Voltar