Não é senão onde a noite
inclina os ramos
que lábios fendem
e o silêncio

morre.

In Véspera de Água
Eugénio de Andrade
ONDE A NOITE
« Voltar