J no sinto, Senhora, os desenganos
com que minha afeio sempre tratastes,
nem ver o galardo que me negastes,
merecido por f, h tantos anos.

A mgoa choro s, s choro os danos
de ver por quem, Senhora, me trocastes;
mas em tal caso vs s me vingastes
de vossa ingratido, vossos enganos.

Dobrada glria d qualquer vingana
que o ofendido toma do culpado,
quando se satisfaz com cousa justa;

mas eu, de vossos males e esquivana
- de que agora me vejo bem vingado -,
no o quisera eu tanto vossa custa.
 

 

Luís Vaz de Camões
[JÁ NÃO SINTO SENHORA OS DESENGANOS]
Voltar