Sim, tudo é certo logo que o não seja.
Amar, teimar, verificar, descrer...
Quem me dera um sossego à beira-ser
Como o que à beira-mar o olhar deseja.
20 - 1 - 1929

In Poesia 1918-1930 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar