Debaixo desta pedra sepultada
jaz do mundo a mais nobre fermosura,
a quem a Morte, s de inveja pura,
sem tempo sua vida tem roubada,

sem ter respeito quela assim estremada
gentileza de luz, que a noite escura
tornava em claro dia, cuja alvura
do Sol a clara luz tinha eclipsada.

Do Sol peitada foste, cruel Morte,
pera o livrar de quem o escurecia;
e da Lũa que, ante ela, luz no tinha.

Como de tal poder tiveste sorte?
E, se a tiveste, como to asinha
tornaste a luz do mundo em terra fria?

Luís Vaz de Camões
[DEBAIXO DESTA PEDRA SEPULTADA]
Voltar