do antigo medo da infância regressas
por onde pedras raízes e bichos se tocam
amam e dormem juntos na euforia dos sonhos

a memória de éter e de ar que se fende
à tua passagem de criança ressuscitada

mas logo se abate um pássaro morto à fisgada
sobre o rosto a mão queimada uma nuvem
sobe dos teus passos perturbando
o limpo horizonte daquele olhar

vives para sempre na distante fímbria da noite
onde enterraste os fosforescentes jogos
da loura criança em ti assassinada

 


In O Medo
Al Berto
« Voltar