Toca, mas pela criança não vás tocar
O dobre dos mortos, dorido dobrar!
Deixa-a dormir, dormir calmamente
E com os sons que chegam do prado
Cria um novo e profundo cantar
Como o que aos homens só foi ensinado
Quando nas almas souberam chorar.

Como se a terra do amor privada
Oh, canta a música que foi criada
No suspender da comoção
Pois que assim a morte fez nossa emoção.
Canta um canto mais real e sentido
Que a vaga e suave cantiga do mar
Gemendo através do escuro contido.

Em tristes lágrimas canta a amargura!
Oh, seja a tristeza a tua canção!
Ela partiu para além do nosso amor,
Trazendo à vida maior solidão
E ao mistério maIs profunda dor.


In Poesia , Assírio & Alvim , edição e tradução de Luisa Freire, 1999
Alexander Search
« Voltar