Não achei dita na crença,
Na descrença não n’a achei;
Qualquer delas que me vença
Na mesma dor ficarei;
Qu’rendo crer quando em descrença,
Descrente ao acreditar,
Em perpétua malquerença
Ao meu perpétuo hesitar.

28-12-1908

In Poesia 1902-1917 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar