No teu olhar se esfuma e desvanece
A cidade onde o corpo por enquanto é preciso.
É quando a outra face do luar aparece
E o balir das ovelhas tem o som do meu riso.


Para tapar meu seio já nenhum astro tece
A roupa com que outrora saí do paraíso.
0 pudor é da terra. Só por isso anoitece
E a nudez dos amantes é não darem por isso.


A semente do Filho que em nós amadurece
Trouxe-a no bico a Pomba que o seu reino prepara.
Por isso na cidade já ninguém nos conhece
Pois que ambos trazemos esse filho na cara.

 


In Inéditos, 1976-1979
Natália Correia
SINAIS QUE NO AMOR SE ADIANTAM
« Voltar