Vivo
Em altitudes que ninguém tolera.
Onde a emoção degenera
Em morte,
Onde as artérias rebentam
Desde que não sejam minhas
Ou de quem seja forte
… … … … … … … … … …

 


In Tributo
Miguel Torga
« Voltar