Vive sem horas. Quanto mede pesa,
      E quanto pensas mede.
Num fluido incerto nexo, como o rio
      Cujas ondas são ele,
Assim teus dias vê, e se te vires
      Passar, como a outrem, cala.
8 - 9 - 1932

In Poesia , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, 2000
Ricardo Reis
« Voltar