Tu.

Ultima ilha antes do Silêncio.
Ponte inquieta, engenharia de névoa
com pilares de suor encantado.

Simplicidade de dois braços a limitarem o mundo
com ímpeto de calor de frutos,
fonte de nuvens para os olhos cegos.

Árvore com duas mãos quentes de lágrimas
a taparem o céu da inutilidade do mistério.

Tu.

Olha-te religiosamente ao espelho,
ó meu amor do desânimo da tarde.

O teu corpo é mais do que tu.
É a vida a desejar-me.

 


In Idílio de Recomeço
José Gomes Ferreira
« Voltar