Quando a suprema dor muito me aperta,
se digo que desejo esquecimento,
fora que se faz ao pensamento,
de que a vontade livre desconcerta.

 

Assi, de erro to grave me desperta
a luz do bem regido entendimento,
que mostra ser engano ou fingimento
dizer que em tal descanso mais se acerta.

 

Porque essa prpria imagem, que na mente
me representa o bem de que careo,
faz-mo de um certo modo ser presente.

 

Ditosa logo a pena que padeo,
pois que da causa dela em mim se sente
um bem que, inda sem ver-vos, reconheo.

Luís Vaz de Camões
[QUANDO A SUPREMA DOR MUITO ME APERTA]
Voltar