Foi j um tempo doce cousa amar,
enquanto me enganava a esperana;
o corao, com esta confiana,
todo se desfazia em desejar.

vo, caduco e dbil esperar!
Como se desengana ũa mudana!
Que, quanto mor a bem-aventurana,
tanto menos se cr que h-de durar.

Quem j se viu contente e prosperado,
vendo-se em breve tempo em pena tanta,
razo tem de viver bem magoado.

Porm quem tem o mundo exprimentado,
no o magoa a pena nem o espanta,
que mal se estranhar o costumado.

Luís Vaz de Camões
[FOI JÁ UM TEMPO DOCE COUSA AMAR]
Voltar