Canção divina as cousas comovia,
E de ternura as árvores choravam…
E lembrava o luar a luz do dia
E os ribeiros, extáticos, paravam.

Era Orfeu, de inspirado, que descia
Às entranhas da terra! E se afundavam
Os seus olhos na noite, muda e fria,
Onde as pálidas sombras vagueavam.

Eurídice, o seu morto e triste amor,
Ouvindo-o, tomou forma e viva cor,
Íntima luz à face lhe subiu…

Mas Orfeu, pobre amante enlouquecido,
Quis ver aquele corpo estremecido…
E, outra vez sombra, Eurídice fugiu…

 

 

Teixeira de Pascoaes
A SOMBRA DE EURíDICE I
« Voltar