Sobre este plinto gravo o inútil verso
Que comemora a inútil emoção.
Se os impérios são pó, não é disperso
Breve esta inútil comemoração.

Por isso, escolho a hora em que contento
A emoção de escrever, e não o fim.
E fica o plinto no meu pensamento

Soletra, viandante, o verso posto
Como denúncia de um momento nulo
Na pedra: A morte passa...
O ave atque vale de Catulo.

20 - 5 - 1921

In Poesia 1918-1930 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar