Às vezes entre a tormenta,
Quando já humedeceu,
Raia uma nesga no céu,
Com que a alma se alimenta.
 
E às vezes entre o torpor
Que não é tormenta da alma,
Raia uma espécie de calma
Que não conhece o langor.
 
E, quer num quer noutro caso,
Como o mal feito está feito,
Restam os versos que deito,
Vinho no copo do acaso.
 
Porque verdadeiramente
Sentir é tão complicado 
Que só andando enganado
É que se crê que se sente.
 
Sofremos? Os versos pecam.
Mentimos? Os versos falham.
E tudo é chuvas que orvalham 
Folhas caídas que secam.
26 - 8 - 1930

In Poesia 1918-1930 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar