— Liberdade, que estais no céu...
Rezava o padre-nosso que sabia,
A pedir-te, humildemente,
O pão de cada dia.
Mas a tua bondade omnipotente
Nem me ouvia.

— Liberdade, que estais na terra...
E a minha voz crescia
De emoção.
Mas um silêncio triste sepultava
A fé que ressumava
Da oração.

Até que um dia, corajosamente,
Olhei noutro sentido, e pude, deslumbrado,
Saborear, enfim,
O pão da minha fome.
—  Liberdade, que estais em mim,
Santificado seja o vosso nome.

                                          Albufeira, 28 de Agosto de 1975.

28 - 8 - 1975

In Diário XII
Miguel Torga
« Voltar