Passei o rio que tornou atrás,
Se acaso é certo o que Camões nos diz,
Em cuja ponte um bando de aguazis
Registam tudo quanto a gente traz.

Segue-se um largo, em frente dele jaz
Longa fileira de baiucas vis;
Cigarro aceso, fumo no nariz,
É como a companhia ali se faz.

A cidade por dentro é fraca rês,
As moças põem mantilhas e andam sós.
Têm boa cara, mas não Têm bons pés.

Isto, coifas de prata e de retrós,
E a cada canto um sórdido marquês,
Foi tudo quanto vi em Badajoz.

 

Nicolau Tolentino
« Voltar