O sol que está onde a montanha está
É um píncaro onde há
Toda a luz concentrada que o sol dá.

A noite que entra quando o dia finda
Esse píncaro ainda
Com uma vaga luz, por qlto, alinda.

Na noite inteira, o píncaro aparece
Que o sentido é esse,
Alto, e só de ser alto resplandece.

20 - 9 - 1934

In Poesia 1931-1935 e não datada , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2006
Fernando Pessoa
« Voltar