Sozinho de brancura, eu vago — Asa
De rendas que entre cardos s flutua...
— Triste de Mim, que vim de Alma pr rua,
E nunca a poderei deixar em casa...

 


Paris, novembro 1915
Mário de Sá-Carneiro
Voltar