Do pão, o corpo; o sangue,, deste vinho;
Das misérias do homem, divindade:
Nada põem de si os deuses vãos.
Nesta mesa da terra se restauram,
Tudo lhes é sustento, comem tudo,
Que tudo lhes prolonga a duração.

Um corpo de enforcado é alimento,
Um baraço faz escada para os céus,
Ë trono uma figueira, é luz moedas:
Sem Judas, nem Jesus seria deus.


In Os Poemas Possíveis
José Saramago
« Voltar