A folha insciente, antes que própria morra
      Para nós morre, Cloe,
Para nós, que sabemos que ela morre,
      Assim, Cloe, assim
Antes que os próprios corpos, que empregamos
      No amor, ela envelhece.
Assim, diversos, somos, inda jovens,
      Só a mútua lembrança.
Ah, se o que somos é sempre isto, e apenas
      Uma hora é o que somos,
Com tal excesso e fúria em cada amplexo
      A hausta vida ponhamos,
Que a memória haja vida; e nos beijemos
      Como se, findo o beijo
Único, houvesse de ruir a súbita
      Mole do total mundo.

[27-10-1923]

In Poesia , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, 2000
Ricardo Reis
« Voltar