Corpo que tens divinas procedências
Nos teus olhos tão frios, tuas mãos
Têm súbitas, vãs condescendências
Com os tédios teus nítidos irmãos.
19 - 6 - 1915

In Poesia 1902-1917 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar