ensanguentou-se a fonte dos sonhos
por isso fecha os olhos e vê
como o desejo acabou - vê a prata suja
envolvendo os amantes
no meio de sedas cintilantes espelhos e fogos
onde o sussurro das horas se perde
na trepadeira fatal da paixão


como um protege o outro - os dois procurando
um sémen limpo e
nenhuma palavra será adiada ou dita como dantes


como a terra é um veludo a escorrer da boca
para a boca - triste néctar envenenado
contra os lábios que se despem da casa
dos afectos
dos amigos
das coisas insignificantes e
da rua que não voltarão a ver

isolados dos outros
pernoitando da dormência ávida dos rios avançam
deitados no fundo da pesada barca - etéreos
entram com vagar na cidade desmoronada
na fissura deste tempo pestífero
que já não lhes pertence

 


In O Medo
Al Berto
« Voltar