Turvo silêncio e oca dor
No meu ser dormem mudamente
Como no último estertor
      Eternamente.

ante 7-4-1911

In Poesia 1902-1917 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar