Poema do silncio

Sim, foi por mim que gritei.
Declamei,
Atirei frases em volta.
Cego de angstia e de revolta.

Foi em meu nome que fiz,
A carvo, a sangue, a giz,
Stiras e epigramas nas paredes
Que no vi serem necessrias e vs vedes.

Foi quando compreendi
Que nada me dariam do infinito que pedi,
-Que ergui mais alto o meu grito
E pedi mais infinito!

Eu, o meu eu rico de baixas e grandezas,
Eis a razo das pi trgi-cmicas empresas
Que, sem rumo,
Levantei com sarcasmo, sonho, fumo...

O que buscava
Era, como qualquer, ter o que desejava.
Febres de Mais. nsias de Altura e Abismo,
Tinham razes banalssimas de egosmo.

Que s por me ser vedado
Sair deste meu ser formal e condenado,
Erigi contra os cus o meu imenso Engano
De tentar o ultra-humano, eu que sou to humano!

Senhor meu Deus em que no creio!
Nu a teus ps, abro o meu seio
Procurei fugir de mim,
Mas sei que sou meu exclusivo fim.

Sofro, assim, pelo que sou,
Sofro por este cho que aos ps se me pegou,
Sofro por no poder fugir.
Sofro por ter prazer em me acusar e me exibir!

Senhor meu Deus em que no creio, porque s minha criao!
(Deus, para mim, sou eu chegado perfeio...)
Senhor d-me o poder de estar calado,
Quieto, maniatado, iluminado.

Se os gestos e as palavras que sonhei,
Nunca os usei nem usarei,
Se nada do que levo a efeito vale,
Que eu me no mova! que eu no fale!

Ah! tambm sei que, trabalhando s por mim,
Era por um de ns. E assim,
Neste meu vo assalto a nem sei que felicidade,
Lutava um homem pela humanidade.

Mas o meu sonho megalmano maior
Do que a prpria imensa dor
De compreender como egosta
A minha mxima conquista...

Senhor! que nunca mais meus versos vidos e impuros
Me rasguem! e meus lbios cerraro como dois muros,
E o meu Silncio, como incenso, atingir-te-,
E sobre mim de novo descer...

Sim, descer da tua mo compadecida,
Meu Deus em que no creio! e por fim minha vida.
E uma terra sem flor e uma pedra sem nome
Saciaro a minha fome.
1920

In Poemas de Deus e do Diabo
José Régio
Voltar