De Amor escrevo, de Amor trato e vivo
de amor me nasce amar sem ser amado,
de tudo se descuida o meu cuidado,
quanto no seja ser de amor cativo;

de amor, que a lugar alto voe altivo,
e funde a glria sua em ser ousado;
que se veja melhor purificado
no imenso resplandor de um raio esquivo.

Mas ai! que tanto amor s pena alcana.
Mais constante ela, e ele mais constante,
de seu triunfo cada qual s trata.

Nada enfim me aproveita; que a esperana,
se anima alguma vez a um triste amante,
ao perto vivifica, ao longe mata.

Luís Vaz de Camões
[DE AMOR ESCREVO DE AMOR TRATO E VIVO]
Voltar