Aguardo, equânime, o que não conheço —
      Meu futuro e o de tudo.
No fim tudo será silêncio, salvo
      Onde o mar banhar nada.
13 - 12 - 1933

In Poesia , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, 2000
Ricardo Reis
« Voltar