Como se cada beijo
      Fora de despedida,
Minha Cloe, beijemo-nos, amando.
      Talvez que já nos toque
      No ombro a mão, que chama
À barca que não vem senão vazia;
      E que no mesmo feixe
      Ata o que mútuos fomos
E a alheia soma universal da vida.

 


In Poesia 1902-1917 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar